A deficiência nutricional e a obesidade

A deficiência nutricional e a obesidade

Por Em Aplicação de produtos, Nutrição & Saúde Em 29 de junho de 2015


A obesidade tornou-se uma das principais preocupações de saúde pública em muitas regiões do mundo devido à sua contribuição para o aumento da carga global de doenças e a redução da qualidade de vida e do bem-estar.

As deficiências de vitaminas e minerais são prevalentes em indivíduos com sobrepeso e obesidade. Pesquisas demonstram que níveis insuficientes de determinados micronutrientes podem estar associados ao aumento do acúmulo de gordura no corpo.

Tais deficiências prejudicam diversas funções fisiológicas do corpo, comprometem o sistema imune e aumentam o risco de comorbidades. Há indícios de que elas também podem promover um balanço de energia positivo – quando o consumo energético é maior do que o gasto.

As deficiências de minerais que têm sido associadas à obesidade incluem as de cálcio, ferro, magnésio e zinco.

Cálcio

A deficiência de cálcio pode aumentar o risco de obesidade.

Estudos científicos em animais e estudos epidemiológicos associaram a ingestão de cálcio à perda de peso. Existem dois mecanismos fisiológicos propostos:

I) a ingestão insuficiente induziria à maior formação de gorduras e à redução de sua quebra, favorecendo seu depósito no organismo; e

II) o cálcio seria capaz de se ligar a gorduras no intestino, formando complexos que seriam excretados. Dessa forma, quanto mais cálcio disponível no intestino, menor seria a absorção de gorduras.

Ferro

A deficiência de ferro em indivíduos obesos pode resultar da baixa ingestão desse mineral, da absorção de ferro reduzida e do aumento da necessidade de ferro como resultado de uma inflamação crônica.

Magnésio

A deficiência de magnésio tem sido relacionada a hiperglicemia, hipertensão, hipertrigliceridemia e resistência à insulina, quadros comuns em indivíduos obesos.

Zinco

Existem associações entre a deficiência de zinco, a obesidade e a obesidade central (principalmente da região abdominal). Além disso, essa deficiência está diretamente relacionada à inflamação. Modelos animais indicam que tal deficiência pode levar à redução de massa corporal magra e ao aumento da gordura corporal, os quais são fatores de risco para a obesidade.

Assim, a ingestão adequada de vitaminas e minerais consiste em uma medida preventiva para reduzir a alta prevalência da deficiência de minerais e, consequentemente, contribuir para a diminuição de um importante problema de saúde mundial, a obesidade.

Bibliografia

ASTRUP, A.; BÜGEL, S. Micronutrient deficiency in the aetiology of obesity. International Journal of Obesity, v. 34, p. 947–8. 2010.

GARCÍA, O. P.; LONG, K. Z; ROSADO, J. L. Impact of micronutrient deficiencies on obesity. Nutrition Reviews, v. 67, n. 10, p. 559–72. 2009.

GUERRERO-ROMERO, F.; RODRIGUEZ-MORAN, M. Serum magnesium in the metabolically-obese normal-weight and healthy-obese subjects. European Journal of Internal Medicine, v. 24, p. 639–643. 2013.

LEWICKI S. et al. The role of Chromium III in the organism and its possible use in diabetes and obesity treatment. Annals of Agricultural and Environmental Medicine, v. 21, n. 2, p. 331–5. 2014.

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Sobre o Autor

Kilyos Minerals & Nutrition

Deixe um comentário

Receba nossas novidades por e-mail

Não divulgaremos suas informações