Ferrochel x sulfato ferroso no controle da deficiência de ferro em gestantes

Ferrochel x sulfato ferroso no controle da deficiência de ferro em gestantes

Por Em Análise de estudos Em 29 de abril de 2015


A anemia ferropriva na gestação

A anemia ferropriva – causada pela deficiência de ferro – é uma condição com maior prevalência em gestantes. Estima-se que, no mundo, meio bilhão de mulheres em idade reprodutiva sofram de anemia ferropriva.

A partir da segunda metade da gestação, o crescimento fetal e da placenta é o principal responsável pelo aumento da necessidade de ferro no organismo.

Comumente, na gestação, o consumo de ferro não acompanha o aumento das necessidades desse mineral. Sendo assim, na dieta da gestante, passa a existir uma limitação no fornecimento de quantidade suficiente desse mineral,  o que faz surgir a necessidade da suplementação.

Ferrochel X sulfato ferroso

A suplementação de ferro, geralmente, é realizada com sulfato ferroso devido ao seu baixo custo. No entanto esse composto não é o mais adequado para suplementações, como é possível verificar no quadro abaixo, que representa uma comparação entre o sulfato ferroso e o Ferrochel Albion:

Captura de Tela 2015-04-29 às 10.53.03

A deficiência de ferro pode comprometer a saúde tanto do feto quanto da mãe. Principais sintomas da anemia ferropriva:

-  MÃE: provoca tontura, falta de apetite, fadiga, indisposição e, em casos mais graves, pode levar à morte.

-  FETO: prejudica o fornecimento de oxigênio ao feto, o que está associado à prematuridade, ao baixo peso ao nascer, a dificuldades no crescimento, desnutrição e, inclusive, óbito do bebê.

Por isso, é de total importância que todos os cuidados sejam tomados, começando pela suplementação adequada para repor a quantidade necessária de ferro no organismo da gestante.

Estudo

Um estudo realizado com 145 gestantes, participantes do programa de controle de pré-natal na cidade de Santo André – SP, avaliou os resultados da suplementação de ferro com sulfato ferroso e com Ferrochel Albion num período de 13 semanas ou mais. As gestantes deveriam:

  • ter menos de 20 semanas de gravidez;
  • não sofrer de hipertensão, diabetes e não apresentar outras condições que conferissem risco obstétrico;
  • não ter usado qualquer suplemento de ferro antes da inscrição no programa pré-natal.

As mulheres foram divididas em dois grupos, que consumiram, sem interrupção:

  1. Grupo sulfato ferroso: dose de 200 mg/dia (40 mg de ferro), como recomendado pelo Ministério da Saúde.
  2. Grupo Ferrochel: dose de 75 mg/dia (15 mg de ferro). Essa dose é equivalente a 40 mg do ferro existente no sulfato ferroso, levando em consideração sua biodisponibilidade. Isso significa que, para se obter a mesma quantidade de ferro fornecido pelo Ferrochel no organismo, faz-se necessário ingerir mais que o dobro de sulfato ferroso.

Nesse estudo, realizaram-se coletas de sangue:

- no momento da inscrição no programa: com menos de 20 semanas de gestação;

- quando a gestação estava entre 20 e 29 semanas;

- quando a gestação estava entre 30 e 40 semanas.

As coletas de sangue serviram para medir os níveis de ferritina, hemoglobina e saturação de transferrina.

- Hemoglobina (Se < 11 g/dL = anemia)

- Ferritina (Se < 12 mg/L = depleção de ferro)

A ferritina é a principal proteína que armazena o ferro nas células. Quanto maior o seu valor, maior é a reserva de ferro do corpo.

- Saturação de transferrina (Se < 16% = deficiência de ferro)

A transferrina é a principal transportadora de ferro no corpo. Maior porcentagem de saturação de transferrina indica maior quantidade de ferro ligado a ela e disponível para utilização pelo organismo.

Resultados

Como se pode verificar no Gráfico 1, houve melhor adesão à suplementação de ferro pelas gestantes do grupo Ferrochel, na medida em que 73% das gestantes consumiram o Ferrochel por 13 semanas ou mais. No grupo sulfato ferroso, a maior parte das gestantes consumiu o suplemento por menos de 13 semanas.

Apresentação sem título-3

O sabor desagradável foi citado como um dos principais fatores de abandono no grupo sulfato ferroso (20%), enquanto, no grupo Ferrochel, nenhuma das mulheres relatou esse motivo.

50% mais mulheres do grupo sulfato ferroso, em comparação com o grupo Ferrochel, relataram náuseas, vômitos ou diarreia como causa de abandono de uso.

Apresentação sem título-4

Apresentação sem título-5

Apresentação sem título-6

Os Gráficos 2, 3 e 4  mostram que a resposta da hemoglobina foi semelhante em ambos os tratamentos no decorrer do tempo, mas a resposta da ferritina e da saturação de transferrina foi muito melhor no grupo Ferrochel, apesar de a dose administrada ser menor do que a de sulfato ferroso. Isso demonstra que, além de aumentar a hemoglobina, a suplementação com Ferrochel aumentou, também, a reserva de ferro no organismo.

É necessário comparar, questionar e, o mais importante, comprovar qual composto de ferro é o mais adequado. Afinal, adianta ingerir um suplemento que, aparentemente, é mais barato, mas acaba custando muito mais caro pela ausência de resultados, e que, ainda, pode causar uma série de efeitos colaterais?

A equipe Kilyos deseja a todas as gestantes uma maravilhosa, feliz e saudável gravidez =)

Possui alguma dúvida, reclamação ou sugestão? Deixe um comentário ou entre em contato conosco.

Referências

SZARFARC, SC et al. Relative effectiveness of iron bis-glycinate chelate (Ferrochel) and ferrous sulfate in the control of iron deficiency in pregnant women. Archivos Llatinoamericanos de Nutrición,  v. 51,  n. 1,  2001.

World Health Organization. Global Nutrition Targets 2025: Anaemia policy brief. 2014. Disponível em:<http://www.who.int/nutrition/publications/globaltargets2025_policybrief_anaemia/en/>.

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Sobre o Autor

Kilyos Minerals & Nutrition

Deixe um comentário

Receba nossas novidades por e-mail

Não divulgaremos suas informações