O papel da vitamina K2 na saúde cardiovascular

O papel da vitamina K2 na saúde cardiovascular

Por Em Nutrição & Saúde Em 1 de fevereiro de 2017


A saúde cardiovascular

Nos últimos anos, quem parou para observar, pôde perceber o quanto as doenças crônicas não transmissíveis se tornaram comuns, dentre elas as doenças cardiovasculares (DCV), o diabetes, a hipertensão, o câncer e as doenças respiratórias.

Isso intensificou a necessidade de cuidar da saúde, na tentativa de reduzir a vulnerabilidade ao adoecer e as chances de que a doença promova incapacidade, sofrimento crônico e morte prematura.

A Organização Mundial de Saúde estima que 17,6 milhões de pessoas no mundo morreram de doenças cardiovasculares em 2012. E, segundo estimativas para 2020, é esperado que a doença cardiovascular seja responsável por 25 milhões de mortes.

No Brasil há uma configuração de tripla carga de doença manifestada pela concomitância de doenças crônicas, doenças infecciosas e causas externas. Em 1998, as doenças crônicas não transmissíveis eram responsáveis por 66,3% da carga de doença no país, seguidas das doenças infecciosas (23,5%) e causas externas (10,2%). De 1990 a 2010, os brasileiros passaram a viver mais tempo e, em média, a morrer com idade mais avançada. Entretanto, o tempo de vida foi prolongado sem um desejável aumento proporcional no tempo de vida saudável.

O fardo das doenças cardiovasculares pode ser muito pesado e o prolongamento da vida, às custas de viver anos sem qualidade, é algo que certamente deve ser prevenido.

 

A vitamina K

A vitamina K é um micronutriente essencial, presente em plantas e produtos animais.

Enquanto a filoquinona (vitamina K1) é encontrada principalmente em vegetais de folhas verdes, as menaquinonas (vitamina K2) são encontradas na carne (menaquinona-4, MK-4) e alimentos fermentados, como queijos (MK-8 a MK-10) e natto (MK-7). Os corpo humano pode converter altas doses de vitamina K1 em K2.

Suplementos de vitamina K2 são uma boa opção no caso de pessoas que não atendem as necessidades dessa vitamina com a dieta.

Em comparação com MK-4, MK-7 tem mostrado maior biodisponibilidade e maior contribuição para o aumento de vitamina K no soro. Além disso, a MK-7 possui meia-vida mais longa e maior eficácia em comparação com a VK1 justificando o uso de doses muito menores de MK-7 nos ensaios que estudam seus efeitos na saúde cardiovascular.

Um exemplo de suplemento de excelente qualidade é o MenaQ7®, uma forma da vitamina K2 comercializada pela Nattopharma, empresa norte-americana representada pela Kilyos no Brasil. Ela é obtida a partir do natto, um produto muito consumido no Japão, originado a partir da soja fermentada.

 

A ligação entre a vitamina K e a saúde cardiovascular

A calcificação vascular, uma causa de morbidade e mortalidade cardiovascular, é um processo regulado por proteínas dependentes de vitamina K (PDVKs), entre outras. Estas VKDPs requerem ativação para se tornarem biologicamente ativas, o que ocorre a partir da vitamina K.

Uma dessas PDVKs é a proteína gla da matriz (MGP), que ao ser ativada a partir da fosforilação, inibe fatores osteogênicos, inibindo assim a calcificação dos vasos e dos tecidos moles. Uma vez ativada, a MGP é atraída para a superfície dos cristais de hidroxiapatita. Isto resulta na inibição do crescimento do cristal, uma vez que impede a agregação de cálcio e formação de mais cristais. Por outro lado, quando a MGP se apresenta desfosforilada (dp-MGP) é liberada na circulação. Os níveis de dp-MGP na circulação podem ser medidos e tem sido associados com a morbidade cardiovascular.

Pesquisas tem mostrado que a suplementação de vitamina K melhora a ativação de MGP, mas ainda não é totalmente claro como medir os benefícios disso na saúde cardiovascular.

Somado ao seu papel na ativação da MGP a vitamina K pode influenciar a rigidez arterial por outros mecanismos. Estudos in vitro sugerem que a vitamina K pode suprimir a inflamação diminuindo a expressão de marcadores pró-inflamatórios.

A calcificação vascular pode modificar as propriedades funcionais e estruturais das artérias, processo conhecido como remodelação arterial, que resulta em maior rigidez arterial. Ela está associada a uma série de doenças.

As pessoas que sofrem de hipercolesteremia familiar apresentam alto risco de desenvolver calcificação aórtica. Duas outras populações de pacientes são especialmente vulneráveis ​​à calcificação vascular: portadores de doença renal e diabéticos. Em pacientes com insuficiência renal terminal, a calcificação é provavelmente induzida por níveis elevados de cálcio e fosfato circulantes, talvez devido à insuficiência renal. Pacientes diabéticos apresentam possibilidade de calcificação quatro vezes maior do que nos não-diabéticos.

 A vitamina K2 tem um potencial promissor para ser utilizada como tratamento ou prevenção no desenvolvimento de calcificação vascular, especialmente em grupos de risco com elevada incidência de calcificação ou deficiência de vitamina K.

 

Referências Bibliográficas:

EL ASMAR, M. S.; NAOUM, J. J.; ARBID, E. J. Vitamin K dependent proteins and the role of vitamin K2 in the modulation of vascular calcification: a review. Oman Medical Journal, v. 29, n. 3, p. 172-7. 2014.

KNAPEN, M. H. J. et al. Menaquinone-7 supplementation improves arterial stiffness in healthy postmenopausal women: A double-blind randomised clinical trial. Thrombosis and Haemostasis, v. 113, n. 5. 2015.

MARINHO, F.; PASSOS, V. M. A.; FRANCA, E. B. Novo século, novos desafios: mudança no perfil da carga de doença no Brasil de 1990 a 2010. Epidemiol. Serv. Saúde, v. 25, n. 4, p. 713-24, 2016.

MCALOON, C. J. et al. The changing face of cardiovascular disease 2000–2012: An analysis of the world health organization global health estimates data. International Journal of Cardiology, v. 224, n. 1, p. 256-64, 2016.

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Sobre o Autor

Kilyos Minerals

Deixe um comentário

Receba nossas novidades por e-mail

Não divulgaremos suas informações