(55) 11 2925 6035 |  kilyos@kilyos.com.br

Ganhadora do Prêmio BIS por 3 anos consecutivos. Saiba mais sobre a Kilyos | Entre em contato

Breaking news

Importância da colina para os primeiros 1000 dias de vida

 

Os primeiros 1000 dias de vida, fase que engloba a gestação (270 dias) e os dois primeiros anos da criança (730 dias), são considerados uma “janela de oportunidade e vulnerabilidade” para o desenvolvimento humano, visto que os hábitos de vida adotados nesse período têm grande impacto na programação do indivíduo, com influências no metabolismo e no desenvolvimento cognitivo que estarão presentes no resto de sua vida.

A importância da nutrição nos primeiros 1000 dias de vida foi reconhecida em 2008, quando a revista médico-científica The Lancet publicou uma série de artigos abordando os impactos da desnutrição materno-infantil ao longo da vida do indivíduo [1]. Já está claro, na literatura e na prática clínica, que intervenções nutricionais nessa fase da vida podem trazer benefícios importantes a curto e a longo prazo, surtindo efeito no crescimento, no desenvolvimento e na qualidade de vida que a criança terá na fase adulta [2-4].

Entre os nutrientes essenciais para esse período, está a colina, que tem reconhecida a importância do seu papel para o desenvolvimento do bebê, em especial o neurodesenvolvimento. Sendo assim, observa-se que sua demanda é especialmente alta durante a gestação e a lactação, o que pode ser confirmado pelo fato de que a concentração de colina no cordão umbilical é de 3-5 vezes maior que a observada no plasma materno [5,6]. Nesse contexto, a Associação Médica Americana (AMA) e a Academia Americana de Pediatria recomendam que o consumo de colina tenha início no período pré-natal e se estenda até a primeira infância [4, 7].

Considerada um nutriente essencial para a vida humana, a colina é substrato para a síntese de acetilcolina (principal neurotransmissor das vias colinérgicas), fosfatidilcolina (componente estrutural primário das membranas fosfolipídicas de todas as células, incluindo as células neuronais), esfingomielina (fosfolípide importante para a mielinização neuronal) e betaína (importante doador de grupos metil) [8-11].

Diversos estudos em animais e humanos demonstram que a colina materna (durante a gestação) ou a suplementação com esse nutriente após o nascimento influenciam significativamente a estrutura e as funções colinérgicas do sistema nervoso central (SNC) do bebê e promovem efeitos positivos sobre a função e o desenvolvimento cognitivos verificados ao longo da vida dessa criança [9, 12-22]. Por exemplo, o alto consumo de colina por gestantes está associado a um melhor desempenho de memória viso-espacial de seus filhos aos sete anos de idade [23].

Um estudo recente conduzido pela Cornell University avaliou os efeitos da suplementação materna com colina na cognição dos bebês. Para tanto, mulheres, em início do terceiro trimestre da gestação, foram randomizadas em dois grupos para receber, até o momento do parto, suplementação diária de colina em duas doses: 480 e 930 mg. Os resultados obtidos no estudo demonstraram uma relação direta entre a quantidade de colina ingerida pela mãe e a velocidade de processamento da informação exibida pelos bebês, uma medida reconhecida por predizer o coeficiente de inteligência (QI) durante a infância [24].

A importância da suplementação de colina na primeira infância também já foi demonstrada. Em 2015, Wozniak e colaboradores conduziram estudo duplo-cego, controlado por placebo, e observaram que crianças de até quatro anos exibiam melhor performance em testes de memória após nove meses de consumo diário de colina [25]. Vale mencionar que a população estudada era acometida por síndrome alcoólica fetal, uma patologia decorrente do consumo materno de álcool durante a gestação e que acarreta, no bebê, alterações mentais, comportamentais e/ou de aprendizado que podem ser irreversíveis e levar a dificuldades escolares [26].

Além dos efeitos na cognição infantil, o consumo de colina durante a gestação também oferece proteção contra complicações durante a gravidez. Estudos têm demonstrado que o consumo de colina no período pré-natal está relacionado à menor incidência de defeitos de fechamento de tubo neural, pré-eclâmpsia, descolamento de placenta e abortos recorrentes [27-30].

Nesse cenário, considerando os primeiros 1000 dias como uma janela de oportunidades bem como de vulnerabilidade para o desenvolvimento do indivíduo, a adoção de uma dieta equilibrada e que contemple micronutrientes essenciais para essa fase é primordial. As principais associações médicas internacionais reconhecem a colina como um nutriente-chave para esse período da vida [4, 7]. Embora esteja presente em alimentos como ovos e carnes vermelhas, o consumo diário de colina pela população, o que inclui gestantes, lactantes e crianças de primeira infância, está bem abaixo do recomendado, o que demonstra a importância da suplementação com esse nutriente na dieta [31].

Escrito por: Ana Carolina Remondi Souza, Ph.D.

Referências:
Victora, C.G et al., Maternal and child undernutrition: consequences for adult health and human capital. Lancet, 2008. 371(9609): p. 340-57.
Moreno Villares, J.M., Nutrition in early life and the programming of adult disease: the first 1000 days. Nutr Hosp, 2016. 33(Suppl 4): p. 337.
Agosti, M., et al., Nutritional and metabolic programming during the first thousand days of life. Pediatr Med Chir, 2017. 39(2): p. 157.
Schwarzenberg, S.J., M.K. Georgieff, and N. Committee On, Advocacy for Improving Nutrition in the First 1000 Days to Support Childhood Development and Adult Health. Pediatrics, 2018. 141(2).
Molloy, A.M., et al., Choline and homocysteine interrelations in umbilical cord and maternal plasma at delivery. Am J Clin Nutr, 2005. 82(4): p. 836-42.
Yan, J., et al., Maternal choline intake modulates maternal and fetal biomarkers of choline metabolism in humans. Am J Clin Nutr, 2012. 95(5): p. 1060-71.
AMA. American Medical Association backs global health experts in calling infertility a disease. 2017; Available from: https://wire.ama-assn.org/ama-news/ama-backs-global-health-experts-calling-infertility-disease).
Caudill, M.A., Pre- and postnatal health: evidence of increased choline needs. J Am Diet Assoc, 2010. 110(8): p. 1198-206.
Jiang, X., A.A. West, and M.A. Caudill, Maternal choline supplementation: a nutritional approach for improving offspring health? Trends Endocrinol Metab, 2014. 25(5): p. 263-73.
Zeisel, S.H., Nutrition in pregnancy: the argument for including a source of choline. Int J Womens Health, 2013. 5: p. 193-9.
Zeisel, S.H., The supply of choline is important for fetal progenitor cells. Semin Cell Dev Biol, 2011. 22(6): p. 624-8.
Sanders, L.M. and S.H. Zeisel, Choline: Dietary Requirements and Role in Brain Development. Nutr Today, 2007. 42(4): p. 181-186.
Zeisel, S.H., The fetal origins of memory: the role of dietary choline in optimal brain development. J Pediatr, 2006. 149(5 Suppl): p. S131-6.
Li, Q., et al., Dietary prenatal choline supplementation alters postnatal hippocampal structure and function. J Neurophysiol, 2004. 91(4): p. 1545-55.
Langley, E.A., et al., High maternal choline consumption during pregnancy and nursing alleviates deficits in social interaction and improves anxiety-like behaviors in the BTBR T+Itpr3tf/J mouse model of autism. Behav Brain Res, 2015. 278: p. 210-20.
Moreno, H.C., et al., Long-lasting effects of prenatal dietary choline availability on object recognition memory ability in adult rats. Nutr Neurosci, 2013. 16(6): p. 269-74.
Meck, W.H. and C.L. Williams, Perinatal choline supplementation increases the threshold for chunking in spatial memory. Neuroreport, 1997. 8(14): p. 3053-9.
Meck, W.H. and C.L. Williams, Simultaneous temporal processing is sensitive to prenatal choline availability in mature and aged rats. Neuroreport, 1997. 8(14): p. 3045-51.
Meck, W.H. and C.L. Williams, Characterization of the facilitative effects of perinatal choline supplementation on timing and temporal memory. Neuroreport, 1997. 8(13): p. 2831-5.
Meck, W.H., R.A. Smith, and C.L. Williams, Pre- and postnatal choline supplementation produces long-term facilitation of spatial memory. Dev Psychobiol, 1988. 21(4): p. 339-53.
Meck, W.H., R.A. Smith, and C.L. Williams, Organizational changes in cholinergic activity and enhanced visuospatial memory as a function of choline administered prenatally or postnatally or both. Behav Neurosci, 1989. 103(6): p. 1234-41.
Meck, W.H. and C.L. Williams, Metabolic imprinting of choline by its availability during gestation: implications for memory and attentional processing across the lifespan. Neurosci Biobehav Rev, 2003. 27(4): p. 385-99.
Boeke, C.E., et al., Choline intake during pregnancy and child cognition at age 7 years. Am J Epidemiol, 2013. 177(12): p. 1338-47.
Caudill, M.A., et al., Maternal choline supplementation during the third trimester of pregnancy improves infant information processing speed: a randomized, double-blind, controlled feeding study. FASEB J, 2018. 32(4): p. 2172-2180.
Wozniak, J.R., et al., Choline supplementation in children with fetal alcohol spectrum disorders: a randomized, double-blind, placebo-controlled trial. Am J Clin Nutr, 2015. 102(5): p. 1113-25.
Sebastiani, G., et al., The Effects of Alcohol and Drugs of Abuse on Maternal Nutritional Profile during Pregnancy. Nutrients, 2018. 10(8).
Fisher, M.C., et al., Perturbations in choline metabolism cause neural tube defects in mouse embryos in vitro. FASEB J, 2002. 16(6): p. 619-21.
Shaw, G.M., et al., Periconceptional dietary intake of choline and betaine and neural tube defects in offspring. Am J Epidemiol, 2004. 160(2): p. 102-9.
Velzing-Aarts, F.V., et al., Plasma choline and betaine and their relation to plasma homocysteine in normal pregnancy. Am J Clin Nutr, 2005. 81(6): p. 1383-9.
Vollset, S.E., et al., Plasma total homocysteine, pregnancy complications, and adverse pregnancy outcomes: the Hordaland Homocysteine study. Am J Clin Nutr, 2000. 71(4): p. 962-8.
Keast, D.R., 31st National Nutrient Databank Conference: Turning Concepts into reality. . Washington, DC 2007.

 

Previous Article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *