+55 11 2925 6035

imagem da noticia

O cálcio é um mineral que exerce diversas funções essenciais para o funcionamento do nosso organismo. Ele está presente em todo o corpo e, apesar de possuir variadas fontes alimentares (principalmente leite e derivados), a sua deficiência não é incomum e, por isso, sua suplementação é, muitas vezes, necessária e passou a ser usual.
 

Como o cálcio é um mineral fundamental para o nosso corpo, há mecanismos para balancear a sua quantidade no organismo, ou seja, se ingerimos muito cálcio de uma só vez, sua absorção é reduzida e, por outro lado, se a dose de cálcio for menor do que a necessária, a absorção é aumentada.
 

Heaney e colaboradores, ainda em 1990, realizaram um estudo para medir a eficiência de absorção de cálcio em função da dose. Eles concluíram que a taxa de absorção é inversamente proporcional à quantidade de cálcio ingerida de uma só vez, conforme o quadro a seguir:
 

Quantidade de cálcio ingerida (mg) Número de doses Taxa de absorção (%)
500 1 29
2 36
3 40
2000 1 16
 


Mas isso acontece dentro de uma faixa da taxa de absorção, que pode  variar de acordo com os traços que o indivíduo apresenta (por exemplo, idade e sexo…), com as características da dieta (por exemplo, fonte de cálcio, horários e quantidade consumida, consumo isolado ou junto a outros alimentos…) etc.
 

Acredita-se que o consumo de quantidades muito baixas ou muito altas de cálcio traz consequências ruins. Sabe-se que a deficiência de cálcio pode levar a cãibras musculares e até à osteoporose. Por outro lado, há, a alguns anos, a teoria de que o excesso de cálcio aumenta o risco de doenças cardiovasculares, e a morte devido a essas doenças tem sido bastante estudada.
 

Aggarwal e Sharma publicaram um editorial muito interessante no primeiro semestre de 2016. Vale, aqui, destacar alguns pontos desse texto que devem ser considerados quando esse assunto está em pauta. – A suplementação de cálcio, junto com a de vitamina D, tem sido uma intervenção de saúde pública bem recomendada para a prevenção de fraturas e melhora da saúde óssea, principalmente para pessoas com idade acima dos 50 anos.
 

- Dependendo da pesquisa realizada, o tipo de desenho do estudo pode conter limitações. Isso não permite que os resultados encontrados sejam vistos como totalmente certos ou possam ser extrapolados para a população em geral.

- É preciso considerar o organismo como um todo. Dessa forma, o cálcio não pode ser “responsabilizado” sozinho por todos os desfechos: outras vitaminas e minerais precisam ser analisados. Para que o corpo funcione bem, ele precisa estar equilibrado.

- A evidência atual não suporta a hipótese de que a suplementação de cálcio aumenta a doença cardíaca coronária.
 

Em 2012, Imdad e Bhutta analisaram diversos trabalhos para avaliar o efeito da suplementação de cálcio durante a gestação sobre a saúde materna e fetal. Concluiu-se que a suplementação de cálcio durante a gravidez está associada ao aumento do peso ao nascer e à redução do risco de parto prematuro e de hipertensão na gestação. Além disso, não foram encontradas associações entre a suplementação de cálcio e um maior risco de mortalidade perinatal ou de problemas renais.
 

Desta forma, atualmente não é totalmente aceita a afirmação de que o excesso de cálcio aumenta, de fato, o risco cardiovascular. Por outro lado, por que não se precaver?
 

Em meio a esse turbilhão de informações, muitas vezes contraditórias, que associam a deficiência de cálcio  a problemas comuns, como a osteoporose, e o excesso desse minerala risco cardiovascular,o que fazer?
 

Assim, cada caso deve ser avaliado individualmente por um profissional habilitado. A primeira opção é, sempre, adequar a alimentação de forma que não seja necessário suplementar: alimentos fortificados podem ser uma opção nesse caso! Mas, quando a suplementação é necessária, é preciso escolher a melhor alternativa dentre as possíveis.
 

O profissional de saúde deve avaliar qual a melhor dose e frequência de consumo além do melhor tipo de suplemento ou produto.
 

O tipo de cálcio usado em cada produto influencia muito o resultado tanto em termos de palatabilidade e aceitação do produto final pelas pessoas como em relação à biodisponibilidade do cálcio.
 

Há diversas formas disponíveis no mercado que possuem diferentes aplicações. Os compostos de cálcio produzidos pela Albion reúnem a mais alta tecnologia numa linha de produtos com diferentes propriedades para necessidades específicas na suplementação e fortificação de alimentos.

 
-


 

Referências Bibliográficas:

AGGARWAL, N.; SHARMA, S. Calcium fortification or supplementation in postmenopausal females: recent controversy. Journal of Mid-life Health.  v. 7, n. 2, p. 54-5. 2016.

ALBION, Human Nutrition. Calcium supplementation: still a necessity – safety in question. Research Notes: A compilation of vital research updates on human nutrition. v. 24, n. 1. 2015.

HEANEY, R. P.; WEAVER, C. M.; FITZSIMMONS, M. L. Influence of calcium load on absorption fraction. Journal of Bone and Mineral Research, v. 5, n. 11, p. 1135-8. 1990.

IMDAD, A.; BHUTTA, Z. A. Effects of calcium supplementation during pregnancy onmaternal, fetal and birth outcomes.Paediatric and Perinatal Epidemiology, v. 26 (Suppl. 1), p. 138-52. 2012.

Materias relacionadas

imagem da noticia

Importância da colina para os primeiros 1000 dias de vida

imagem da noticia

Pesquisa mostra que produto com colina traz melhoras para pacientes com alzheimer em estágio inicial

imagem da noticia

A FISA Está Chegando!