+55 11 2925 6035

imagem da noticia
A vitamina D é essencial para a formação e manutenção de ossos fortes e saudáveis. Sem este nutriente, os ossos podem ficar fracos e quebradiços, podendo resultar em problemas de saúde como raquitismo, osteopenia, osteoporose e alguns tipos de câncer.

A principal fonte de vitamina D vem da produção pela pele após a exposição solar. No entanto, a sua produção cutânea é limitada por diversos fatores, como o estilo de vida atualmente mais voltado para ambientes cobertos e o uso de filtro solar, além de variar muito em diferentes latitudes e estações do ano. Dessa forma, a deficiência de vitamina D é um problema comum, e estima-se que mais de um bilhão de pessoas no mundo apresentem deficiência ou insuficiência desta vitamina.

A análise do status de vitamina D entre os atletas universitários que jogam em ambientes cobertos (indoor) é de particular relevância, pois pesquisas indicam não apenas que eles apresentam maior risco de terem insuficiência da vitamina devido à exposição solar limitada, mas também que os jovens geralmente consomem uma dieta pobre em micronutrientes, o que aumenta o risco de deficiências nutricionais. Níveis insuficientes de vitamina D foram associados a prejuízos da função muscular e ao aumento do risco de lesões, o que pode impactar negativamente o desempenho de atletas.

Neste contexto, dois renomados centros de pesquisa nos Estados Unidos da Universidade George Mason e da Clínica Mayo conduziram um estudo recente, publicado no início deste ano na revista Nutrients, que avaliou o status da vitamina D em 20 atletas de elite, jogadores de basquete universitário do time George Mason Patriots. Durante a temporada 2018-2019, os jogadores receberam uma dose diária alta (10.000 IU) ou baixa (5.000 UI) de vitamina D, ou não foram suplementados, a depender dos níveis da vitamina que apresentavam no início do estudo. Esta investigação teve como objetivo identificar a dosagem de suplementação de vitamina D necessária para atingir o nível ideal no organismo.

"Estudos anteriores que abordaram esse tópico normalmente relatam dados de populações mais velhas e não atletas. Como os atletas podem não obter a vitamina D necessária através de fontes alimentares naturais, a suplementação oferece um método seguro, acessível e eficaz para combater deficiências" disse a Dra. Sina Gallo, professora da Universidade George Mason.
Durante o estudo, os jogadores foram monitorados regularmente, e o cumprimento da suplementação foi avaliado pelos treinadores esportivos.

Foi visto que 65% dos participantes tinham insuficiência de vitamina D no início do estudo. "Este resultado é consistente com uma metanálise recente, em que 56% de uma amostra total de 2.000 atletas residentes em nove países diferentes tinham níveis inadequados de vitamina D." disse a Dra. Margaret Jones, professora da Universidade George Mason.

O estudo identificou ainda que a dose diária mais alta de vitamina D atenuou a alta prevalência de deficiência do nutriente entre os jogadores. Dentre os atletas investigados, os que apresentavam pigmentação da pele mais escura tinham risco aumentado de insuficiência de vitamina D. De fato, estudos indicam que a síntese desta vitamina em tons de pele mais escuros é mais baixa quando comparada com tons de pele mais claros, devido à maior quantidade de pigmento (melanina) que prejudica a absorção da radiação solar na pele.

"Embora seja um estudo piloto com um tamanho pequeno de participantes, os resultados atuais fornecem mais evidências da alta prevalência de insuficiência de vitamina D entre uma amostra de atletas de basquete altamente treinados", disse o Dr. Andrew Jagim, da Clínica Mayo. "Nós, como autores, concordamos que uma amostra maior é necessária para ajudar no desenvolvimento de protocolos de triagem que permitirão que equipes de nutrição médica e esportiva identifiquem os principais fatores de risco de atletas com deficiência de vitamina D."

Vale notar que tanto a exposição solar quanto a dieta sozinha não são capazes de fornecer quantidades suficientes de vitamina D como uma única fonte, o que destaca a importância da suplementação nutricional deste nutriente, principalmente em grupos de risco.

Mercado

Segundo o relatório de pesquisa da Markets and Markets, estima-se que o mercado de vitamina D alcance US$ 1,7 bilhão até 2025, com taxa de crescimento anual de 7%. Este crescimento é impulsionado pelo avanço da conscientização sobre a deficiência de vitamina D e pelo aumento da incidência de osteoporose em mulheres e dos casos de desnutrição em crianças.



Referências
Sekel NM, Gallo S, Fields J, Jagim AR, Wagner T, Jones MT (2020). The Effects of Cholecalciferol Supplementation on Vitamin D Status Among a Diverse Population of Collegiate Basketball Athletes: A Quasi-Experimental Trial. Nutrients, 12 (2):370.
Farrokhyar F, Tabasinejad R, Dao D, Peterson D, Ayeni OR, Hadioonzadeh R, Bhandari M (2015). Prevalence of vitamin D inadequacy in athletes: A systematic-review and meta-analysis. Sports Med. 45, 365–378.
Udowenko M, Trojian T (2010). Vitamin D: extent of deficiency, effect on muscle function, bone health, performance, and injury prevention. Conn Med. Sep;74(8):477-80.
Vitamin D Market by Analog (Vitamin D2, Vitamin D3), Form (Dry, Liquid), Application (Functional Food & Beverage, Pharma, Feed, and Personal Care), End User (Children, Adult, and Pregnant Women), Iu Strength and Region - Global Forecast to 2025. 2019. Disponível em <https://www.marketsandmarkets.com/Market-Reports/vitamin-d-market-22034298.html> Acesso em: 16 mar. 2020.

Materias relacionadas

imagem da noticia

A Nutrients publica: O risco de fratura infantil e a deficiência de K2

imagem da noticia

Creatine MagnaPower: o que é e quais são os benefícios que pode gerar?

imagem da noticia

Benefícios da Vitamina K2 para a saúde cardiovascular em homens e mulheres