+55 11 2925 6035

imagem da noticia
A colina é um nutriente essencial para o desenvolvimento infantil. Sua importância para o bebê vem antes do nascimento, já na gestação. Este nutriente é crítico para uma série de processos fisiológicos que ocorrem no bebê durante o período pré-natal, como a produção de células, o desenvolvimento do cérebro, a comunicação entre os neurônios e o controle da expressão de genes.

No brasil, a ANVISA recomenda que as gestantes consumam 550 mg de colina diariamente. Entretanto, as gestantes estão entre os grupos de risco de deficiência de colina: estima-se que 90 a 95% das mulheres grávidas consomem menos colina que o recomendado. Além disso, os suplementos pré-natais geralmente contêm pouca ou nenhuma colina. Portanto, acredita-se que as gestantes e seus bebês podem se beneficiar do aumento do consumo de colina por meio da dieta ou da suplementação nutricional.

Vale notar que a importância de garantir a ingestão adequada de colina durante a gravidez é cada vez mais reconhecida por órgãos internacionais. Em 2017, a Associação Médica Americana (American Medical Association, AMA) publicou uma nova recomendação afirmando que os suplementos vitamínicos pré-natais devem conter quantidades de colina "baseadas em evidências".

Diversos estudos com gestantes forneceram evidências convincentes dos benefícios para o bebê do maior consumo de colina durante o período pré-natal, como descrito a seguir.

Estudos da colina com gestantes e bebês
Um estudo com 154 gestantes saudáveis avaliou a associação entre os níveis de colina nas mães e o neurodesenvolvimento de seus bebês aos 18 meses de idade. Com base em resultados de testes cognitivos das crianças, os autores concluíram que os maiores níveis de colina materna na primeira metade da gravidez estão associados ao melhor desenvolvimento cognitivo dos bebês.

Da mesma forma, outro estudo com 26 gestantes também comprovou o efeito da colina na melhora da cognição do bebê. Os pesquisadores encontraram uma relação entre níveis mais altos de ingestão materna de colina (930 mg por dia) e a maior velocidade de processamento de informações pelos lactentes, em comparação com bebês de mães que consumiam 480 mg por dia do nutriente.

Além disso, um estudo recente indicou um efeito benéfico de longo prazo da suplementação pré-natal de colina na cognição do bebê. Crianças cujas mães consumiram 930 mg (versus 480 mg) de colina por dia tiveram um desempenho significativamente melhor em uma tarefa de memória de localização de cores aos 7 anos de idade.

Outros dois estudos com mais de 70 gestantes também relataram um melhor desenvolvimento da atenção nos bebês com 5 semanas de idade, e redução de problemas de atenção e retraimento social aos 40 meses de idade com a suplementação de colina para a mãe a partir do segundo trimestre da gravidez, e também para o bebê após o nascimento.

Em outro estudo com gestantes, a análise de amostras de sangue do cordão umbilical do bebê mostrou que o maior consumo de colina durante o terceiro trimestre de gravidez (930 mg versus 480 mg) ajuda a reduzir os níveis de cortisol, o hormônio do estresse, no bebê. O estresse está associado ao aumento do risco de desenvolvimento de doenças, como hipertensão, diabetes tipo 2, distúrbios imunológicos e até mesmo a depressão. Assim, as crianças com menores níveis de cortisol ao nascer podem ter menor probabilidade de desenvolverem doenças mentais e cardiometabólicas mais tarde na vida.

É importante notar que níveis mais baixos de colina durante a gravidez estão associados a um risco aumentado de má formação do bebê, relacionada a defeitos do tubo neural e fenda orofacial, o que enfatiza ainda mais a necessidade de níveis adequados deste nutriente essencial na gestação.

Considerações finais
Em suma, a suplementação com colina durante a gestação se mostrou benéfica para o bebê: diversos estudos mostraram que suplementar a dieta materna com colina adicional melhora vários desfechos da gravidez e beneficia a cognição do bebê, além de protege-lo contra danos neurais e metabólicos.

Além do mais, os estudos descritos indicam que as recomendações atuais para a ingestão diária de colina podem não ser suficientes para promover o desenvolvimento cognitivo ótimo do bebê.

Estas recomendações atuais baseiam-se nas quantidades de colina necessárias para prevenir a disfunção do fígado (um órgão altamente dependente de colina) e foram extrapoladas de estudos com homens, em parte porque nenhum estudo investigou a fundo as necessidades do nutriente durante a gestação.

Portanto, dada sua clara importância no desenvolvimento do bebê e na saúde materna, gestantes devem garantir o consumo adequado de colina. Converse com seu nutricionista sobre como otimizar o consumo de colina através da dieta e consulte seu médico sobre a necessidade de tomar um suplemento com colina durante o pré-natal para assegurar a ingestão adequada do nutriente.
 


Produzido por: Andrea Rodrigues Vasconcelos, PhD.
 
Referências
National Institutes of Health. Choline. Fact Sheet for Health Professionals. Disponível em: < https://ods.od.nih.gov/factsheets/Choline-HealthProfessional/ >. Acesso em: 14 de setembro de 2020.
Korsmo HW et al. (2019). Choline: Exploring the Growing Science on Its Benefits for Moms and Babies. Nutrients. 2019 Aug 7;11(8):1823.
ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC no 269, de 22 de setembro de 2005. "Regulamento técnico sobre a ingestão diária recomendada (IDR) de proteína, vitaminas e minerais".
Institute of Medicine, Food and Nutrition Board (1998). Dietary Reference Intakes: Thiamin, Riboflavin, Niacin, Vitamin B-6, Vitamin B012, Pantothenic Acid, Biotin, and Choline. Washington, DC: National Academy of Sciences, 390-422.
Zeisel SH (2009). Choline: an essential nutrient for public health. Nutr Rev. 67(11):615-23.
Zeisel SH (2013). Nutrition in pregnancy: the argument for including a source of choline. Int J Womens Health. 5:193-9.
Gluckman et al. (2015). Nutrition and lifestyle for pregnancy and breastfeeding: Choline in pregnancy and breastfeeding. Oxford University Press, USA.
Wu BT et al. (2012). Early second trimester maternal plasma choline and betaine are related to measures of early cognitive development in term infants. PLoS One. 7(8):e43448.
Jiang et al. (2012). Maternal choline intake alters the epigenetic state of fetal cortisol‐regulating genes in humans. The FASEB Journal, 26(8):3563-3574.
Caudill MA (2018). Maternal choline supplementation during the third trimester of pregnancy improves infant information processing speed: A randomized, double‐blind, controlled feeding study. The FASEB Journal, 32(4):2172-2180.
Bahnfleth C et al. (2019) Prenatal Choline Supplementation Improves Child Color-location Memory Task Performance at 7 Y of Age. Curr Dev Nutr. 3(Suppl. 1).
Ross RG et al. (2013). Perinatal choline effects on neonatal pathophysiology related to later schizophrenia risk. Am J Psychiatry. 170:290–298.
Ross RG et al. (2016). Perinatal Phosphatidylcholine Supplementation and Early Childhood Behavior Problems: Evidence for CHRNA7 Moderation. Am J Psychiatry. 173:509–516.
Shaw GM et al. (2006). Maternal nutrient intakes and risk of orofacial clefts. Epidemiology. 17(3):285-91.
Shaw GM et al. (2004). Periconceptional dietary intake of choline and betaine and neural tube defects in offspring. Am J Epidemiol. 15;160(2):102-9.
VitaCholine. Supplementing with Choline. power up your prenatal routine with choline. Disponível em: < http://vitacholine.com/wp-content/uploads/2019/09/VitaCholine-Prenatal-Infographic_FINAL-9.24.19.pdf > Acesso em: 14 de setembro de 2020.
Daryl Lovell (2018). Eating more foods with choline during pregnancy could boost baby’s brain. Science Daily. Disponível em :  < https://www.sciencedaily.com/releases/2018/01/180104124300.htm > Acesso em: 14 de setembro de 2020.

Materias relacionadas

imagem da noticia

A importância do zinco na imunidade

imagem da noticia

O papel do zinco na cirrose

imagem da noticia

O papel dos minerais no funcionamento da tireoide