+55 11 2925 6035

imagem da noticia

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a obesidade é uma condição crônica caracterizada pelo excesso de gordura corporal, que pode resultar em prejuízos à saúde. A obesidade é um grave problema de saúde pública e suas complicações incluem diabetes mellitus tipo 2, hipertensão, doenças cardiovasculares, osteoartrite, depressão, apneia do sono e alguns tipos de câncer. Na população adulta, o estado nutricional é diagnosticado pelo Índice de Massa Corporal (IMC), que é calculado a partir do peso em quilos dividido pelo quadrado da altura em metros. O excesso de peso e a obesidade são diagnosticados quando o valor do IMC encontra-se acima ou igual a 25 kg/m² e 30 kg/m², respectivamente..
 

A prevalência da obesidade tem aumentado de maneira expressiva e crescente em todas as faixas etárias, tanto em países desenvolvidos quanto em desenvolvimento. De fato, dados da pesquisa Vigitel (Ministério da Saúde, Brasil) de 2017 mostraram que cerca de 54% da população brasileira encontra-se acima do peso, sendo que dentre os adultos, aproximadamente 18,9% são obesos, resultados preocupantes para a saúde pública brasileira.
 

Dessa forma, a adoção de uma dieta desequilibrada e a diminuição da prática de atividade física são fatores que interferem no balanço energético do organismo e podem explicar o aumento no número de indivíduos obesos no mundo. Nesse cenário, a nutrição desempenha papel fundamental na prevenção e tratamento da obesidade, proporcionando que a redução de peso ocorra de forma gradual e saudável, garantindo a qualidade de vida do paciente. Dentre os nutrientes que compõe a dieta, alguns minerais podem ser aliados na prevenção e combate ao excesso de peso, atuando através de diferentes mecanismos sobre o manejo da obesidade e controle de gordura corporal.

 

Zinco
 

O zinco é um elemento essencial importante para a função de diversos processos biológicos, incluindo reações enzimáticas de mais de 300 enzimas, muitas das quais apresentam papel crucial no sistema imunológico, crescimento, divisão celular, desenvolvimento reprodutivo e cicatrização de feridas.  Além desses fatores, um estudo demonstrou que a suplementação de zinco em adultos obesos foi capaz de reduzir o peso, circunferência da cintura e índices de IMC, além de melhorar a concentração de triglicérides. Os autores acreditam que os resultados observados envolvam diferentes mecanismos de ação do zinco, como o seu papel na regulação do apetite e influência na ação da insulina.
 

Cálcio
 

O cálcio, além de ser fundamental para a manutenção da saúde óssea em todas as fases da vida, tem sido analisado quanto a sua contribuição nos casos de obesidade e excesso de peso. De fato, estudos demonstram que a deficiência desse mineral está associada a maior peso corporal, ao passo que seu elevado consumo pode reduzir o ganho de peso. Um estudo constatou que o cálcio promove maior excreção fecal de gordura, além de estimular o processo de lipólise (degradação de lipídios em ácidos graxos e glicerol). Outro estudo realizado com mulheres obesas no período pós-menopausa,  mostrou que a suplementação de cálcio pode ser benéfica na mudança da composição corporal. No mesmo sentido, uma revisão sistemática publicada na Nutrition Reviews também observou que a suplementação com o mineral pode contribuir na redução de gordura corporal em indivíduos obesos e com excesso de peso.
 

Magnésio
 

O magnésio é um elemento essencial que desempenha papel fundamental nas atividades enzimáticas do organismo, atuando em mais de 600 reações metabólicas e no metabolismo de carboidratos, proteínas e gorduras. Mais especificamente, esse mineral aumenta a sensibilidade à insulina, além de atuar sobre mediadores inflamatórios e alterações pró-aterogênicas. Estudos demonstram que uma ingestão mais alta de magnésio está relacionada com uma menor resistência à insulina, principalmente em indivíduos obesos e com sobrepeso. Além disso, o consumo desse nutriente tem sido inversamente relacionado com a prevalência da síndrome metabólica (transtorno representado por um conjunto de fatores de risco cardiovascular relacionados à deposição central de gordura e resistência à insulina). De fato, uma revisão relatou que para cada aumento de 100 mg/dia na ingestão de magnésio o risco global para desenvolvimento de síndrome metabólica foi reduzido em 17%.
 

Tal como apresentado, além de estratégias como restrição energética e reeducação alimentar, o consumo desses minerais pode apresentar grandes benefícios na redução de gordura corporal, contribuindo, inclusive, no controle de problemas relacionados a obesidade. Vale lembrar que qualquer suplementação deve ser orientada e supervisionada por um profissional da saúde, sempre conforme necessidade.
 

 

Referências
 

World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Geneva: World Health Organization; 2000. (WHO Technical Report Series, 894).
Mendonça MRT, da Silva MAM, Rivera IR, Moura AA. Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes da cidade de Maceió. Rev Assoc Med Bras. 2010; 56 (2): 192-196.
Meldrum DR, Morris MA, Gambone JC. Obesity pandemic: causes, consequences, and solutions—but do we have the will? Fertil. Steril. 2017; 107(4): 833–839.
Ministério da Saúde, SVS. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico, VIGITEL 2017. Brasília: DF; 2017.
Malik VS, Willet WC, Hu FB. Global obesity: trends, risk factors and policy implications. Rev. Endocrinol. 2013; 9 (1): 13–27.
Cominetti C, Cozzolino SMF. Funções Plenamente Reconhecidas de Nutrientes: Zinco. 2.ed. São Paulo: International Life Sciences Institute do Brasil, 2009.
Payahoo L, Ostadrahimi A, Mobasseri M, Bishak YK, Farrin N, Jafarabadi MA et al. Effects of Zinc Supplementation on the Anthropometric Measurements, Lipid Profiles and Fasting Blood Glucose in the Healthy Obese Adults. Adv Pharm Bull. 2013; 3 (1): 161–165.
Shapses SA, Heshka S, Heymsfield SB. Effect of Calcium Supplementation on Weight and Fat Loss in Women. J Clin Endocrinol Metab. 2004; 89 (2): 632–637.
Buchowski MS, Aslam M, Dossett C, Dorminy C, Choi L, Acra S. Effect of Dairy and Nondairy Calcium on Fecal Fat Excretion in Lactose Digester and Maldigester Obese Adults. 2009; Int J Obes. 2009; 34 (1): 127–135.
Parikh SJ, Yanovski JÁ. Calcium intake and adiposity. Am J Clin Nutr. 2003; 77(2):281-287.
Zhou J, Zhao L, Watson P, Zhang Q, Lappe JM. The effect of calcium and vitamin D supplementation on obesity in postmenopausal women: secondary analysis for a large-scale, placebo controlled, double-blind, 4-year longitudinal clinical trial. Nutr Metab. 2010; 7:62.
Onakpoya IJ, Perry R, Zhang J, Ernst E. Efficacy of calcium supplementation for management of overweight and obesity: systematic review of randomized clinical trials. Nutr Rev. 2011; 69 (6):335-343.
Monteiro TH, Vannucchi H. Funções Plenamente Reconhecidas de Nutrientes: Magnésio. 2.ed. São Paulo: International Life Sciences Institute do Brasil, 2010.
De Baaij JHF, Hoenderop JGJ, Bindels RJM. Magnesium in Man: Implications for Health and Disease. Physiol Rev. 2015; 95: 1–46.
Dibaba DT, Xun P, Fly AD, Yokota K, He K. Dietary magnesium intake and risk of metabolic syndrome: a meta-analysis. Diabet Med. 2014; 31(11): 1301–1309.
Cahill F, Shahidi M, Shea J, Wadden D, Gulliver W, Rendell E et al. High Dietary Magnesium Intake Is Associated with Low Insulin Resistance in the Newfoundland Population. PLoS One. 2013; 8(3): e58278.
Sociedade Brasileira de Cardiologia. I Diretriz Brasileira de Diagnóstico e Tratamento da Síndrome Metabólica. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. 2005; 84 (Supl 1): 3-28.

 

Materias relacionadas

imagem da noticia

A importância do zinco na imunidade

imagem da noticia

Câncer e Obesidade

imagem da noticia

Vitamina D e a sua importância na qualidade de vida