+55 11 2925 6035

imagem da noticia
A asma é uma doença caracterizada pela inflamação crônica das vias aéreas respiratórias, causando sintomas como tosse, sibilos, dispneia e opressão torácica. Essa inflamação pode ser resultado de diversos fatores, que vão desde aspectos genéticos até a exposição a substâncias alergênicas e irritantes. Normalmente, a obstrução das vias aéreas é revertida espontaneamente ou após tratamento, mas também pode ser irreversível em alguns casos.

O público infantil é o mais acometido pela doença. O grandioso estudo International Study of Asthma and Allergies in Childhood (ISAAC), é um programa epidemiológico que avalia a prevalência de asma e alergias infantis no mundo inteiro, desde o início dos anos 90. Em todos esses anos, a pesquisa já envolveu cerca de 2 milhões de crianças em mais de 105 países, possibilitando a visão de um panorama mundial sobre os números da doença. Em uma de suas fases, o ISAAC avaliou os índices de prevalência de asma em diferentes cidades brasileiras, contando com a participação de 23 mil crianças. A prevalência de asma ativa estimada em todo o Brasil, em média, foi de 24,3% (oscilando de 16,5 a 31,2%) nas crianças com idade entre 6 e 7 anos, revelando a doença como um problema de saúde pública e de grande impacto no Brasil.

O tratamento da doença consiste no controle dos sintomas, prevenindo exacerbações agudas e mantendo a função pulmonar, onde o uso de medicamentos do tipo corticosteroides e broncodilatadores são a base da farmacoterapia para pessoas com asma persistente. Entretanto, estudos sugerem que alguns elementos podem estar envolvidos em processos inflamatórios como a asma. Nesse sentido, o zinco e o magnésio são dois minerais que tem se destacado nos estudos, mostrando ter um potencial benéfico para o controle e tratamento da asma.

O magnésio é um mineral essencial com papel em mais de 300 reações enzimáticas, participa do metabolismo de carboidratos e proteínas, atua como fator de crescimento e também na regeneração de tecidos, além de diversas outras funções. Na asma, estudos indicam que o magnésio atua na broncodilatação, sendo capaz de relaxar o músculo liso bronquiolar. Um estudo publicado no European Journal of Clinical Nutrition relatou os efeitos da suplementação oral de magnésio em 37 crianças e adolescentes asmáticos, com idade entre 7 e 19 anos, pelo período de 2 meses. Os participantes foram divididos em dois grupos, onde ambos receberam o tratamento com fluticasona e salbutamol (medicamentos utilizados no controle de asma) - apenas quando necessário; e somente um dos grupos recebeu a suplementação oral de magnésio. A partir do estudo, observou-se que os participantes que receberam a suplementação apresentaram uma redução significativa nos episódios de exacerbação de asma e menor uso de medicamentos de controle em comparação com o grupo placebo. Apesar dos mecanismos envolvidos ainda não serem totalmente conhecidos, os autores acreditam que o magnésio foi capaz de modular reações alérgicas, melhorando assim o quadro clínico das crianças envolvidas no estudo.

O zinco, por sua vez, dentre suas diversas funções no organismo, como a participação na divisão celular, desenvolvimento reprodutivo e sistema imunológico, também parece ter papel central nas vias da asma brônquica. Um ensaio clínico duplo-cego, verificou os efeitos da suplementação de zinco em crianças com asma moderada e com deficiência de zinco, demonstrando que a intervenção foi responsável por melhorar a função pulmonar, assim como também aliviou os sintomas clínicos da doença. Um outro estudo também avaliou os benefícios da suplementação de zinco, mas desta vez, em crianças hospitalizadas com diagnóstico de asma aguda exacerbada. A intervenção foi feita com 30 mg de zinco bisglicinato quelato diariamente, como um método de terapia adjuvante no tratamento. Os pesquisadores concluíram que o zinco auxiliou no processo de recuperação dos pacientes, já que o grupo que recebeu a suplementação apresentou uma melhora mais rápida e uma significativa diminuição da gravidade do quadro clínico. Ainda que não esteja completamente claro se a melhora ocorreu devido ao tratamento médico para asma ou pela intervenção do estudo, acredita-se que ambas as terapêuticas tiveram efeitos simultâneos, tendo em vista que, segundo os autores, o zinco ajuda a diminuir a inflamação das vias aéreas.

Com isso, os benefícios de minerais como o magnésio e o zinco vêm se destacando em diversas pesquisas, que buscam esclarecer que estes componentes são importantes aliados contra a asma. Apesar dessas terapias ainda não possuírem resultados totalmente consolidados, não se pode negar o potencial desses achados científicos promissores, firmando ainda mais a importância da nutrição na saúde humana.
 
 
 
 
Referências
- Campos HS. Asma: suas origens, seus mecanismos inflamatórios e o papel do corticosteroide. Rev. Bras. Pneumol. Sanit.2007; 15 (1): 47-60.
- IV Diretizes Brasileiras para o Manejo da Asma. J. bras. pneumol. 2006; 32 (Suppl 7): 447-474.
- Fontes MJF, Fonseca MTM, Camargos PAM, Affonso AGA, Calazans GMC. Asma em menores de cinco anos: dificuldades no diagnóstico e na prescrição da corticoterapia inalatória. J. bras. pneumol. 2005; 31 (3): 244-253.
- Neto HJC, Rosário NA, Solé D. Asthma and Rhinitis in South America: How Different They are From Other Parts of the World. Allergy Asthma Immunol Res. 2012; 4 (2): 62-67.
- Solé D, Camelo-Nunes IC, Wandalsen GF, Mallozi MC. A asma na criança e no adolescente brasileiro: contribuição do International Study of Asthma and Allergies in - Childhood (ISAAC). Rev. paul. pediatr. 2014; 32 (1): 114-125.
- Solé D, Nunes ICC, Rizzo MCV, Naspitz CK. A asma na criança: classificação e tratamento. J. pediatr. (Rio J.). 1998; 74 (Supl.1): 48-58
- Ministério da Saúde. Asma. 29 de maio de 2017. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/asma. Acesso em 23 de outubro de 2018.
- Ghaffari J, Salehifar E, Khalilian A, Rezai MS. Effect of zinc supplementation in children with asthma: A randomized, placebo-controlled trial in northern Islamic Republic of Iran. East Mediterr Health J. 2014; 20 (6):391-396.
- Monteiro TH, Vannucchi H. Funções Plenamente Reconhecidas de Nutrientes: Magnésio. International Life Sciences Institute do Brasil, 2.ed. São Paulo, 2010.
- Gontijo-Amaral C, Ribeiro MAGO, Gontijo LSC, Condino-Neto A, Ribeiro JD. Oral magnesium supplementation in asthmatic children: a double-blind randomized placebo-controlled trial. Eur J Clin Nutr.2007; 61(1):54-60.
- Cominetti C, Cozzolino SMF. Funções Plenamente Reconhecidas de Nutrientes: Zinco. International Life Sciences Institute do Brasil, 2.ed. São Paulo, 2009.
- Rerksuppaphol S, Rerksuppaphol L. Zinc Supplementation in Children with Asthma Exacerbation. Pediatr Rep. 2016; 8(4): 6685.

Materias relacionadas

imagem da noticia

A suplementação com colina e vitamina B pode melhorar a função cerebral pós – AVC

imagem da noticia

Estudo da American Heart Association demonstra: A vitamina K2 está relacionada à saúde cardiovascular

imagem da noticia

A contribuição do cálcio contra a Pré-Eclâmpsia